Livro APARÊNCIAS

O que você, mulher, faria se o seu marido fosse assediado insistentemente por uma colega sua? Pior ainda, o que você faria se o seu marido cedesse aos assédios dela?

E você, homem, o que faria se a linda e sexy esposa do seu amigo o assediasse seguidamente? Mesmo amando sua esposa, conseguiria resistir aos apelos sexuais da outra?


Com a personagem Silvinha como pivô, esse tema polêmico é abordado de forma simples e divertida, prendendo a atenção dos leitores do início ao surpreendente final.



Vendas através dos sites das seguintes livrarias/editora:

Também disponível como e-book pela Amazon, no Brasil (www.amazon.com.br) e no exterior.


Para aquisição direta com o autor, veja link "Aquisição de Livros" no canto superior direito da página inicial deste blog.

 
 
 


PRIMEIRO CAPÍTULO
(DIREITOS AUTORAIS REGISTRADOS NA BIBLIOTECA NACIONAL)


     O avião pousou bem no horário. Juca estava com tanta pressa, que nem cogitou em passar pelo Duty Free Shop do Aeroporto Internacional de Guarulhos, para comprar algumas garrafas do seu uísque favorito. Queria simplesmente retornar para casa após uma longa semana de trabalho em Boston, onde participara juntamente com vários clientes importantes, do mega evento de lançamento da nova e revolucionária versão do principal software desenvolvido pela BEST, Boston Enterprise Systems Technology, empresa onde ele ocupava o cargo de diretor comercial há cerca de três meses. Também estava ansioso para voltar para casa e terminar de resolver de uma vez por todas a situação problemática que tinha com sua esposa, Silvinha.
     Após passar pelo guichê da Polícia Federal com seu notebook a tiracolo, Juca rumou para a esteira de número dez, onde seriam entregues as bagagens aos passageiros de seu vôo. Depois de alguns minutos de espera ele finalmente viu sua mala se aproximando na esteira e puxou-a com força quando esta passou à sua frente. Em seguida estendeu o cabo retrátil da mala e pôs-se a puxá-la sobre suas rodinhas, movendo-se com passos rápidos na direção da Alfândega, direto para a fila formada pelas pessoas que não tinham nada a declarar.
     - Um absurdo o tamanho dessa fila! – Disse Juca ao encontrar com cara de desanimado o último homem na enorme fila.
     O homem limitou-se a concordar com a cabeça sem abrir a boca. Depois de amargar por mais de trinta minutos na vagarosa fila, Juca deixou a Alfândega para trás por volta das sete e meia da manhã, pagou o estacionamento e dirigiu-se com pressa para apanhar seu carro no sempre lotado Aeroporto de Guarulhos. Minutos depois ele partia do estacionamento.
Sérios problemas o aguardavam em casa por conta de Silvinha, mas Juca estava confiante de que as coisas se resolveriam e logo se acalmariam.
     Pouco antes de sua partida para os Estados Unidos, Juca e Silvinha haviam tido mais uma de suas incontáveis discussões, porém dessa vez a discussão havia sido tão acalorada, que fez com que ele saísse para viajar com a certeza de que seu casamento estava terminado. O telefonema inesperado que ele recebera de uma amiga enquanto estava fora, o deixara ainda mais irritado e certo do que tinha que fazer. Agora, no caminho para casa, ele apenas esperava estar adotando a melhor estratégia para terminar seu casamento e ficar livre de sua esposa de uma vez por todas.
     No carro, a caminho de casa, Juca recordava a noite em que havia conhecido Silvinha em uma balada. Muito linda e vestindo uma roupa que valorizava seu corpo perfeito, havia sido ela quem tomara a iniciativa da conversa, apresentando-se a ele sem fazer cerimônias. Começaram a sair juntos nas semanas seguintes sem maiores compromissos, mas depois de algum tempo o relacionamento entre eles foi ficando cada vez mais sério, até que decidiram se casar há cerca de um ano.
     Eles discutiam freqüentemente desde o início do relacionamento devido ao comportamento expansivo e atitudes exibicionistas de Silvinha, que deixavam Juca envergonhado e louco de ciúmes. Ele não estava certo de amá-la o suficiente para casar-se, mas a atração física que sentia por ela era tamanha, que acabou fazendo com que ele decidisse pelo casamento. Ele chegou a pensar que o comportamento dela talvez mudasse após estarem casados, mas a realidade se mostrou diferente e isso nunca aconteceu.
     Para Juca, as atitudes de Silvinha nas últimas semanas haviam ultrapassado o limite de sua tolerância e ele havia decidido terminar seu casamento, apesar da atração física que ainda sentia pela esposa. A revolta de Juca era tão grande que faria o que fosse necessário para que Silvinha não levasse do casamento nada do que ele havia conquistado com seu suor.
     Infelizmente está terminando dessa forma e sei que vai ser complicado quando eu chegar em casa. Espero que depois de alguns dias tudo se acalme. Pensou Juca.
     Com o trânsito bom das manhãs de sábado, Juca não tardou muito para ir do Aeroporto em Guarulhos até o Alto da Lapa em São Paulo, onde morava com Silvinha em um confortável sobrado, comprado por eles pouco depois de se casarem.
     Ao entrar na rua onde morava, Juca avistou várias viaturas da polícia estacionadas mais adiante e uma roda de pessoas próximas às viaturas conversando na calçada. Em poucos segundos chegou ao seu portão e as pessoas que lá estavam logo voltaram seus olhares para ele. Com a entrada de casa impedida por uma das viaturas da polícia, Juca deixou seu carro estacionado em fila dupla e desceu apressado.
     - O que significa tudo isso aqui na minha porta? – Perguntou Juca ao policial e aos vizinhos que estavam mais próximos.
     - O senhor é o Sr. Joaquim Couto? – Respondeu o policial com outra pergunta.
     - Sim, sou eu mesmo.
     - Temo que eu tenha más notícias para o senhor.
     - Diga de uma vez. O que aconteceu?
     - Lamento informá-lo senhor, mas sua esposa está morta – disse fazendo uma pausa – ela foi assassinada.
 

2 comentários:

  1. Aparências é um livro surpreendente.

    Paula Queiroz

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde,

    Estou lendo, ele é simplesmente magnifico!

    Lidivânia Lima

    ResponderExcluir